AO SOM DO CHAMAMÉ

DOCUMENTÁRIO | 112 min | 2015
PRODUÇÃO: NOVELO FILMES
ROTEIRO & DIREÇÃO: LUCAS DE BARROS
ARGUMENTO: LUCAS DE BARROS, MARIA AUGUSTA V. NUNES

SOBRE  

Bacia do Prata, tríplice fronteira: Brasil, Argentina e Paraguai. Mais precisamente, região de Corrientes, província Argentina. Foi daí que ecoaram os primeiros acordes do "chamamé", cuja origem mais arcaica provém dos cânticos religiosos e das danças dos guaranis que habitavam o local. Hoje, o ritmo como conhecemos é fruto de um processo de assimilação e modificação dessas danças e cânticos e de sua fusão com a polca correntina. Uma história de como a música pode unir países e culturas diversas e se tornar singular em cada um deles ao absorver traços da cultura de cada localidade. E foi justamente em consequência de sua localização geográfica que o chamamé difundiu-se por toda a extensão da Bacia Hidrográfica do Rio do Prata.

Ritmo de raízes fronteiriças, no Brasil a tradição chamamezeira é bastante forte nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul. Esse último, abraça a tradição há mais de cem anos quando, com o fim da Guerra do Paraguai, recebeu vários imigrantes da região à procura de trabalho, trazendo com eles suas tradições musicais. Atualmente, o MS é considerado um dos principais centros chamamezeiros fora da província de Corrientes.  A singularidade do ritmo no estado é fruto, principalmente, da modificação ocorrida no ritmo tocado na região, o que o tornou próprio e com peculiaridades que o diferenciam do tocado nos países e estados vizinhos. E é esse o foco do documentário "Ao Som do Chamamé", que hoje encontra-se em fase de pré-lançamento já tendo sido exibido em sessões privadas no Cine Odeon no RJ e no Cinemark em Campo Grande/MS.

 SINOPSE
"Ao Som do Chamamé" é uma história contada por músicos, amantes e conhecedores da cultura e do ritmo "chamamé", de raízes fronteiriças, na Bacia do Rio do Prata. O filme conta com depoimentos e números musicais de artistas do calibre de Antonio Tarragó Ros, Teresa Parodi, Lucio Yanel, Raul Barboza, Coquimarola, Benitez, Shana Muller, Gicela Mendez Ribeiro, Elinho do Bandoneón, Amambay, Matias Galarza, Gregório, Maurício Brito e Humberto Yule. Herdeiros de sangue e de tradição dos patriarcas do gênero.

 FICHA TÉCNICA

PRODUÇÃO Novelo Filmes
PRODUZIDO POR Ana Paula Mendes, Carol Gesser, Cíntia Domit Bittar
ARGUMENTO Lucas de Barros, Maria Augusta Vilalba Nunes
ROTEIRO & DIREÇÃO Lucas de Barros
ASSISTENTE DE DIREÇÃO Will Martins
PRODUÇÃO EXECUTIVA Ana Paula Mendes, Carol Gesser
DIREÇÃO DE PRODUÇÃO Ana Paula Mendes
PRODUÇÃO LOCAL Fabian Aranda, Marinete Pinheiro
DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA Marx Vamerlatti, Fábio Fantauzzi
ASSISTENTE DE CÂMERA CÍntia Domit Bittar, Débora Bah
CÂMERA Fábio Fantauzzi, Marx Vamerlatti, Max Laus, Max Ruggieri, Cíntia Domit Bittar, Lucas de Barros, Will Martins
TÉCNICO DE SOM Gustavo de Souza
MONTAGEM Alessandro Danielli, Cintia Domit Bittar
CORREÇÃO DE COR Alan Porciuncula
EDIÇÃO DE SOM E MIXAGEM Diego F. Gat
ESTÚDIO DE FINALIZAÇÃO DE SOM Tauro Digital
FINALIZAÇÃO Alessandro Danielli

PATROCÍNIO Celeo Redes
APOIO INSTITUCIONAL Ministério das Relações Exteriores - Itamaraty
APOIO Fundação de Cultura do Mato Grosso do Sul